Presente da Aly

Presente da Aly
Lindo! Lindo.

DICAS

Caro leitor ao visitar o blog, seja mais curioso, visite-o com mais curiosidade, nunca leia apenas o texto que encontrar primeiro, muitas vezes logo abaixo você encontrará textos mais interessantes, além disto existem informações sobre o (a) escritor(a) que lhe poderão serem informações valiosas.
Obrigada pela visita e deixe seu comentário.
Volte sempre.
Íris Pereira

Gilberto Rodrigues ( Poeta Psicólogo )


Servo da Liberdade

março 27th, 2010 
FBV, dez 2009 010
foto gilberto rodrigues

Perdi-me de mim mesmo
Não sei em que circunstâncias
Nem tampouco por que razões
E numa busca errante para reencontrar-me
Perdi-me novamente por veredas e sertões
Perdi-me por artérias congestionadas
Por profundas cavernas do coração
Entre desejos vis e uma obcecada imaginação
Até não saber-me não me sabendo indo a esmo…
Insegura alma nômade sem saber qualquer saber
Em pânico por ver-se apenas num caminhar
Precisava assegurar-me de que não me perdia
Então me tornei senhor absoluto
Do nada de qualquer coisa e todas elas
Escravizei quem queria apenas amar-me
Fiz escravos quem me era querido
Fiz-me forte fiz-me temido
Fiz-me dono e senhor dos meus desejos
Projetados em quem deveres me deviam
Condição de quem me viu imaginá-los escravos
Tornei-me tão senhor
De escravos tão escravizados
Mas na contradição do que a vida é
Vi-me dependente de tantos servos
Submetido então aos seus desmandos
Escravo então de meus escravos
Que com ou sem consciência
Fizeram-se então meus senhores…
Tornei-me um senhor escravizado
A servidão ávida de servir
Para livrar-se desta condição
Torna-se o norte de quem se faz senhor
E o senhor seguro da obediência cega
Cai inerte sob o jugo de quem um dia
Pensava dominar e determinar os atos
De quem se fazia dominado e sem protestos
Nem escravos nem senhores
São servidos sem servirem
Ou servem sem serem servidos
Não há escravos nem senhores
Somos escravos e somos senhores
Escravos ou senhores
Senhores ou escravos
O meu saber de mim
Ou o meu nada sei me estabelece
Quem é o escravo
E quem é o senhor
Na dialética das relações
Onde a transgressão e a servidão
São as marcas das vivências cotidianas?

Nenhum comentário:

Sobre a Autora

Minha foto
Ribeirão Preto, SP, Brazil
3 partes de uma mulher: Maria da qual escrevo seu passado, seus sentimentos e suas verdades. Irismar já sem a Maria, companheira, amante, irmã, mãe, avó, sogra e amiga. Finalmente Iris a parte que reflete sobre as duas e tenta escrever o que descobre entender destas duas mulheres que são tão diferentes.

Seguidores